Criando e Divulgando seu Blog

Neste treinamento você vai aprender a criar o seu próprio Site e/ou seu Blog.

O que é Blog:

Utilizado inicialmente para produção e divulgação de notícias, porém hoje é amplamente utilizado como espaço para tutoriais e até mesmo para a simples exposição pessoal de textos e imagens.

Com o advento dos Blogs, qualquer pessoa pode ser um Repórter ou Editor de Notícias e Tutoriais.

Blogs são identificados por sua simplicidade na forma da apresentação separada por Posts Diários.

Cada Post é composto apenas por um Título e um Texto que pode ou não conter imagens para facilitar na compreenção da matéria.

Suas matérias em geral são separadas por datas em ordem decrescente e podem ser comentadas pelos usuários cadastrados ou não, depende de cada Blog.

Os Blogs são hoje em dia amplamente utilizados pelas empresas para estreitar as Relações com seus Leitores e ou Clientes.

É possível também criar comunidades de assuntos específicos  com os Blogs Individuais que são unidos através de Links entre si.

Os Blogs ficaram muito populares pelo fato de darem poder às pessoas comuns ao expressarem suas opiniões pessoais atraindo a atenção de públicos específicos em todo o mundo de forma gratuita ou de baixo custo.

O que é Site:
O mesmo que blog, porém com muitas páginas; Em geral muito utilizados por empresas para expor sua Identidade, Histórico e Produtos utilizando páginas com propósitos específicos:


  • Home
  • Empresa;
  • Produtos;
  • Clientes
  • Localização;
  • Contato;
  • Etc...

A Ferramenta Wordpress:
Criado em 2003 para desenvolver sites o Wordpress não exige conhecimentos em programação (HTML, MySQL, PHP, Java Script, Etc...), pois esta é uma plataforma prática desenvolvida exatamente para que pessoas como você possam usufruir da internet de forma totalmente livre e rápida criando Blogs, Sites, Hot-sites, Apresentações e Etc sem atrasar as suas demandas e de sua empresa.

Neste tutorial você aprenderá tudo sobre esta ferramenta e assim agilizar seus planos de Marketing Digital sem depender de outras pessoas ou empresas desta área.

O WP é uma plataforma Open Source (código aberto) ou seja, você pode instalar ela em seu servidor https://br.wordpress.org/ (recomendável) ou utilizar o servidor deles https://br.wordpress.com/
.
A diferença é que utilizando o servidor da empresa, você terá algumas limitações no desenvolvimento de seus projetos.

Já instalando o aplicativo WP em seu servidor, você poderá trabalhar com ele de forma livre, baixando e instalando plugins diversos desenvolvidos por outros, por isso chama-se Open Source (código aberto).

Outra vantagem do WP é que pelo fato de poder baixar em seu servidor, caso algum dia a empresa deixe de existir, você jamais perderá seus arquivos, como já ocorrera no passado com outras plataformas hoje extintas.

Ainda hoje existem hospedagens que ainda utilizam deste sistema antigo onde você desenvolve seus projetos, mas seus arquivos ficam presos naquele sistema, pois na verdade pertencem à empresa hospedeira, seja ela gratuita ou não!

Para quem ainda está iniciando e principalmente possui um capital muito restrito, fica realmente interessante utilizar o servidor deles https://br.wordpress.com/, mas é altamente recomendável que migrem para seu próprio servidor assim que possível.

Seguindo a linha recomendada de instalar o WP em seu servidor, você tem duas opções.

  1. Instalar você mesmo (instalação manual);
  2. Utilizar os serviços e sua Hospedagem (instalação automática).
 
Após instalado, você precisa escolher o tema (Layout) a ser utilizado.

Para escolher cada tema, você tem a possibilidade de baixar a versão demo de cada tema que já vêm com textos e imagens para facilitar sua escolha.

Todos os temas já vêm na versão responsiva ou seja, acessíveis para computadores e mobiles (tablets e smartphones).

É possível também instalar vários tipos diferentes de Plugins.
Plugins são extensões (pré-programadas) para facilitar sua vida, exemplo:

  • Formulários;
  • Google Analytics;
  • Lojas Virtuais;
  • Geo-localização;
  • Cálculo de fretes;
  • Etc…

Dentre todos, existem os gratuitos e os pagos!

Com pouco tempo de prática você logo chega à perfeição e atinge agilidade o que é exatamente a proposta desta Plataforma Wordpress em questão.

Os Mecanismos de Busca
O objetivo de um mecanismo de busca é responder a uma busca ou pesquisa de um usuário. O mecanismo quer oferecer ao usuário o conteúdo que mais se adequa àquela pesquisa, para que o usuário fique satisfeito e retorne mais vezes. O primeiro passo para que um buscador possa responder a uma pesquisa é ele saber onde existe conteúdo que responda àquela busca. Para isso, os buscadores visitam os websites identificando o seu conteúdo e montam gigantescos índices do conteúdo que existe na internet. Esse processo é conhecido como indexação. Se o seu site aparece nos resultados de um buscador, pode-se dizer que ele foi indexado.

Os mecanismos de busca possuem resultados pagos e naturais (orgânicos).
O objetivo de SEO é melhorar o posicionamento nas buscas orgânicas, enquanto o objetivo de SEA é comprar tráfego por meio da busca paga.
Estudos mostram que, em média, 88% das buscas resultam em cliques na busca orgânica e o restante nas propagandas.
Portanto, o maior potencial de tráfego ainda está na busca orgânica.

Os buscadores são como uma gigantesca lista telefônica do mundo digital. Cada mecanismo de busca sempre visa ter o maior banco de dados de conteúdo possível, para que possa oferecer as melhores respostas às pesquisas.

Mas, com a grande disponibilidade de conteúdo e informação existente na web, a questão mais importante é como o mecanismo de busca decide qual é o melhor resultado para uma determinada pesquisa e para um determinado usuário.

Para decidir qual é o melhor resultado para uma pesquisa, os buscadores utilizam, principalmente, dois indicadores: relevância e autoridade.

Relevância: O buscador precisa compreender o conteúdo de um site para entender para quais pesquisas esse site é relevante. Por exemplo: Uma página com conteúdo sobre futebol é relevante para pesquisas relacionadas a futebol, mas é irrelevante para pesquisas sobre receitas de bolo.

Autoridade: Depois de compreender quais sites são relevantes para uma pesquisa, o buscador precisa determinar qual deles vai satisfazer mais o usuário. Sendo assim, o buscador agrega diversas informações para definir qual site é uma autoridade no assunto pesquisado.

Esses dois indicadores podem ser divididos em diversos fatores que os buscadores usam para tomar as decisões.

O Google afirma utilizar mais de 200 fatores. Vejamos a seguir alguns:

Fatores de ranqueamento:
Decidir a relevância e a autoridade de um site não é uma tarefa fácil. Para isso, o Google, por exemplo, afirma usar mais de 200 indicadores de qualidade para decidir para cada busca qual o melhor site. Infelizmente, a maioria desses indicadores permanece em segredo. Felizmente, diversos SEOs analisam as correlações entre diversos indicadores e tentam encontrar os fatores que influenciam os buscadores. Um dos estudos mais famosos é o de fatores de ranqueamento, realizado pela agência MOZ. Esses são os fatores e o quanto eles influenciam os rankings do Google:


20,5% — Domain level link metrics

Esse fator mede a quantidade e a qualidade dos backlinks apontados para o domínio do site.
• 19% — Page-level link metrics

Esse fator mede a quantidade e a qualidade dos backlinks apontados para a página do site que está aparecendo para aquela busca.
• 15% — Page-level Keyword & Content-Based

Esse indicador cobre a relevância da palavra-chave buscada na página específica que está sendo ranqueada.
• 9% — Page Level Keyword Agnostic Features

Esse indicador inclui fatores como: Conteúdo único e qualidade do conteúdo dentro da página.
• 8,8% — Domain Level Brand Metrics

Esse indicador mede o quanto a marca do site é conhecida por meio de fatores como o volume de busca dessa marca, a quantidade de vezes que ela é citada por outros sites e também a sua presença nas redes sociais.
• 8,3% — User Usage & Traffic/Query Data

Esse indicador é de grande importância para que os SEOs entendam que é necessário desenvolver um site que torne os usuários satisfeitos. Os buscadores levam em conta, por exemplo, quando um usuário entra em resultado da busca e depois pressiona o botão voltar, voltando para ver outros resultados da busca. Isso geralmente indica que o usuário não ficou satisfeito com o conteúdo encontrado e voltou para buscar o que deseja em outros sites. Sites com alta taxa de rejeição tendem a perder posições.
• 7% — Page Level Social Metrics
O impacto dos indicadores sociais sobre os rankings dos buscadores ainda é pequeno, porém esse indicador vem crescendo e tende a se tornar cada vez mais importante.
• 6,7% — Domain Level Keyword Usage

Esse indicador cobre a relevância da palavra-chave buscada no site todo.
• 5% — Domain Level Keyword Agnostic Features

Inclui fatores como se o site possui um conteúdo único e de qualidade e outros indicativo de que esse não é um site SPAM.

O trabalho de um SEO, portanto, é o de criar sites com conteúdo relevante e tornar esse conteúdo reconhecido como autoridade no assunto que se propõe.

As técnicas de SEO se dividem em dois tipos:

Otimização on-page: São as otimizações que visam tornar o site mais relevante.
Otimização off-page: As técnicas utilizadas para aumentar a autoridade de um site.

Campanhas de E-mail Marketing
Planejar campanhas de email marketing não é um bicho de sete cabeças, nem tão simples quanto parece.
Afinal, a linha que faz fronteira entre email marketing e spam é bem tênue, o que torna fácil transformar o seu trabalho em spam.

Na teoria, email marketing é toda comunicação por email, de cunho comercial ou informativo, que você solicitou receber.
Se você se cadastra em um site e marca a opção “Desejo receber newsletter dessa empresa”, está permitindo que a empresa lhe mande comunicações por email, os chamados emails marketing.

Já o spam, teoricamente, é toda comunicação que você recebe de um remetente que não conhece e/ou que não autorizou enviar emails pra você.
Porém, quando experimentamos o envio na prática, percebemos que um email legítimo, que enviamos apenas para quem nos concedeu autorização, pode ser considerado como spam pelos servidores de email.

Para que isso não aconteça e não leve sua estratégia por água abaixo, é preciso ficar atento a algumas práticas – que, basicamente, giram em torno da ética profissional – e aprender técnicas que podem enriquecer ainda mais o seu trabalho